domingo, dezembro 24, 2006

Lençóis frios


Madrugada.

Ela virou de lado e sentiu o vazio na cama. Dor iminente. Cerrou com mais força os olhos. Protegida pelo escuro, quis esquentar aquele canto da cama. Disfarçar a solidão. Esticou-se. Ainda podia sentir o vazio. Crescendo - um monstro carnívoro - da cama para a alma. Ela enxergava o vazio por entre as pálpebras herméticas. O vazio fazia parte dela. Em mim, o vazio causa cansaço, nela dor latente... Há quanto tempo vivera esse romance? A pergunta trouxe alívio. Vazio preenchido por uma pergunta. A razão pede uma trégua pra refletir. “Todo sentimento é precedido de um pensamento”. É preciso antes pensar pra sentir, senão como classificar o sentimento? Lera algo sobre isso em algum lugar. Agora, na cama de um lado vazia, pensa para não sentir... Aprendera com o tempo: quando o vazio guarda o lugar para a dor é preciso perguntas. Quanto tempo durou aquele romance? Pouco mais de 12 meses e um sentimento que veio como para a vida inteira.

(De Edward, um outro amigo de Hannah)

2 comentários:

Sandra disse...

Reflexão é o que cabe a este momento/palavras.
Beba uma taça de vinho, inspire-se e crie uma poesia amiga ;)
Tim-Tim!
Beijo com meu carinho.

Hannah Abraão em frases de momento disse...

Um vinho doce pra um coração seco de lágrimas... era talvez o que eu precisasse naquele momento.