sábado, setembro 09, 2006

PASSARINHAR


Madrugada se despede
e num acordar sonolento,
teu cheiro me inebria.

fecho os olhos
dilato as narinas
farejo teu sexo

arrepios, afã, engasgos, falta de ar, sintomas de um bom ataque cardíaco!

Tens razão,
alguém poderia morrer desse jeito.

(poesia sobre seu vício de linguagem)

Nenhum comentário: